As 5 forças de Porter: como usar o modelo para administrar um negócio de sucesso?

6 minutos de leitura
5.0
(5)
As 5 forças de Porter: como usar o modelo para administrar um negócio de sucesso?
Foto: mindtools.com
Participação

Não importa o tamanho de uma empresa, ela é afetada pela concorrência no mercado. Conhecer seus concorrentes, seus produtos e estratégias de marketing permite que as empresas encontrem seu lugar e determinem suas próprias vantagens competitivas. O modelo das cinco forças de Michael Porter é considerado uma das ferramentas estratégicas de negócios mais eficazes.

Descrição do modelo das 5 forças competitivas de Michael Porter

Esse modelo foi desenvolvido e descrito pelo economista americano, professor Michael Porter da Universidade de Harvard, em 1979, porém, o modelo não perde sua relevância hoje.

A ideia básica das forças competitivas começa com a noção de que os proprietários e gestores de negócios muitas vezes veem a concorrência em uma indústria ou nicho de forma muito estreita, e as cinco forças indicam que além de a empresa estar em uma batalha constante pelo lucro com seus concorrentes diretos , sua posição é influenciada por uma gama mais ampla de forças:

  • novos concorrentes (potenciais);
  • fornecedores;
  • consumidores;
  • bens substitutos (substitutos).

Se uma empresa está apenas planejando entrar no mercado, o modelo permitirá ver e analisar riscos, avaliar a intensidade da concorrência no nicho e entender se vale a pena desenvolver a empresa no nicho.

Se a empresa já atua no mercado, o modelo das cinco forças ajudará a controlar os riscos, a tomar as medidas necessárias em tempo hábil, a ser flexível às mudanças nas condições externas e a manter um elevado nível de rentabilidade.

Michael Porter
Michael Porter. Foto: isc.hbs.edu
As Cinco Forças são, portanto, uma visão holística de qualquer setor e uma compreensão dos fatores estruturais que fundamentam a lucratividade e a competência de uma empresa. É este modelo que nos permite olhar especialmente de perto para os factores que proporcionam vantagem e competitividade.

Características das principais forças do modelo de Porter

1. Ameaça de novos jogadores

Para avaliar a possibilidade de surgimento de novos concorrentes, Porter identificou 6 barreiras à entrada no mercado.

  1. Economias de escala. Impede a entrada, forçando o player a entrar no setor em maior escala ou a aceitar custos maiores.
  2. Diferenciação do produto. Quanto mais diversificada for a oferta de bens e serviços na indústria, mais difícil será para novos players entrarem no mercado e competirem nele.
  3. Requisito de capital. A necessidade de altos gastos de capital. Quanto maior o nível de investimento para entrada, mais difícil será para novos participantes entrarem no setor.
  4. Custos inicialmente baixos. As empresas podem inicialmente ter condições mais favoráveis ​​que não estão disponíveis aos concorrentes (subsídios, patentes, curva de experiência, etc.).
  5. Acesso aos canais de distribuição. Os canais de vendas podem ser controlados por outros players, por meio de parcerias ou integração vertical.
  6. Política pública. Restrições e regulamentação de requisitos de produtos na indústria.

2. Poder de barganha dos compradores

Os compradores influenciam a competitividade do produto de uma empresa no mercado. Nessas condições, as empresas têm que monitorar mais de perto a qualidade dos seus produtos, aumentá-la ou reduzir o preço. Além disso, você precisa monitorar as necessidades emergentes, que posteriormente moldarão as tendências.

Quanto mais opções um comprador tiver entre os fabricantes do mercado, mais intensa será a luta entre eles.

O poder de negociação dos compradores é influente se:

  • os clientes fazem compras em grandes volumes;
  • a empresa possui produtos não exclusivos sem um USP claro;
  • os produtos adquiridos representam uma grande parcela das despesas do consumidor;
  • insatisfação com a qualidade dos produtos vendidos no mercado ou a necessidade dos compradores de novas condições, características funcionais e propriedades dos produtos;
  • alta sensibilidade dos compradores ao preço, podendo haver necessidade de redução de custos.

3. Poder de barganha dos fornecedores

O custo das mercadorias, o volume de produtos produzidos e o sortimento da empresa dependem em grande parte das atividades dos fornecedores. O poder dos fornecedores aumenta significativamente se:

  • há apenas um pequeno número deles na indústria;
  • o volume de matéria-prima não cobre as necessidades de todas as empresas interessadas;
  • ameaça de integração do fornecedor no negócio principal, o que cria integração vertical;
  • falta de produtos substitutos.

4. O surgimento de bens substitutos (substitutos)

Segundo Porter, a ameaça de produtos substitutos é a presença de um produto de outra indústria que oferece os mesmos benefícios e benefícios ao consumidor. E nem sempre são produtos de concorrentes diretos. Por exemplo, você pode resolver a questão de organizar seu hobby indo dançar ou pintar.
Análise SWOT – identifique os pontos fortes e fracos do seu negócio
Análise SWOT – identifique os pontos fortes e fracos do seu negócio
6 minutos de leitura

Se a procura por um produto substituto aumenta, então a procura por outro diminui naturalmente, tornando-se assim possível encontrar alternativas em termos de preço e qualidade.

Para que uma empresa mantenha a superioridade e a fidelização do consumidor é necessário investir em branding, marketing e construir um posicionamento forte, diferenciando-se assim dos concorrentes diretos e indiretos.

5. Competição intra-indústria

A concorrência dentro da indústria é essencialmente um “cabo de guerra”, tentando aumentar a sua quota de mercado por todos os meios possíveis, conquistando um maior número de consumidores fiéis.

As condições para intensificar a concorrência dentro da indústria são:

  • um grande número de empresas cujos volumes de vendas são quase iguais;
  • crescimento fraco ou declínio no crescimento do mercado, o que leva a uma redistribuição do mercado como um todo ou a uma redistribuição de suas ações.
  • dificuldade de saída das empresas do setor, o que leva a uma alta concentração de empresas em um mercado com baixa rentabilidade.
  • os produtos das empresas concorrentes são pouco diferenciados, o que faz com que os consumidores mudem dos produtos de um fabricante para os produtos de outro.

Como usar o modelo das cinco forças de Porter?

Para avaliar o grau de influência de cada força nas atividades da empresa, é necessário atribuir uma pontuação a cada parâmetro que reflita um grau de risco baixo, médio ou alto para a empresa. É mais conveniente fazer isso na forma de tabelas estruturadas.

Porter's 5 forces
Foto: mbamanagementmodels.com

Para fazer isso você precisa:

  1. Cada força é dividida em critérios que devem ser avaliados em uma escala de três pontos, onde 3 é um grau de gravidade forte, 2 é um grau médio, 1 é um grau fraco. Coloque um sinal de mais ao lado do valor correto.
  2. Calcule o número total de pontos de cada tabela e correlacione-os com os valores propostos por Porter.
  3. Resuma os resultados e desenvolva áreas de trabalho para cada força.
  4. Uma vez analisadas e avaliadas todas as forças, é necessário resumir os resultados observando os dados como um todo. Você também pode usar um formato de tabela para esta etapa.
  5. Depois, precisamos formular áreas-chave para o desenvolvimento de uma estratégia competitiva.

A etapa final do modelo das cinco forças de Porter é selecionar e implementar a estratégia mais relevante para a empresa. Michael Porter, em seu trabalho, derivou três estratégias básicas e universais.

Diferenciação da marca

Ao implementar esta estratégia, o principal objetivo da empresa é diferenciar-se dos concorrentes melhorando a qualidade do produto, suas propriedades, características funcionais e atributos externos.

Foco

O principal objetivo desta estratégia é buscar nichos menos competitivos. Nesses nichos, via de regra, é mais fácil desenvolver e promover uma marca devido à baixa concentração de concorrentes.

Gerenciamento de custos

O objetivo é reduzir custos, aumentando assim a participação de mercado e o lucro devido ao volume de produtos vendidos. Essa estratégia é utilizada quando há risco de diminuição da demanda.

Vale ressaltar que este modelo não é estático, podendo sofrer alterações sob influência de fatores externos, caso em que haverá necessidade de revisão dos resultados e avaliação dos parâmetros. Recomenda-se que a análise seja realizada regularmente para acompanhar as tendências de mudança e as necessidades emergentes, aumentando assim as vantagens competitivas da empresa e reduzindo o impacto de possíveis riscos sobre ela.
Avaliação do artigo
5,0
5 avaliações
Avalie este artigo
Vladislava Noga
Por favor, escreva sua opinião sobre este assunto:
avatar
  Notificações de comentários  
Notificar sobre
Vladislava Noga
Leia meus outros artigos:
Contente Avalie Comentários
Participação